A partir de R$ 180 em livros ganhe uma sacola exclusiva da Fósforo
0 Carrinho
COMBO PASSAROS NA BOCA E POR QUE OLHAR PARA OS ANIMAIS
R$89,80
Comprar

Por que olhar para os animais?

O ensaio que dá título a esta reunião de textos de John Berger trata do desaparecimento da relação imemorial entre seres humanos e animais. Ainda mantemos espécies de estimação e visitamos zoológicos, mas o “olhar entre o animal e o homem, que possivelmente teve um papel crucial no desenvolvimento da sociedade humana, e com o qual, em todo caso, todo ser humano convivia até um século atrás, extinguiu-se”.

A interação entre as pessoas e a natureza, entre a cultura e o instinto, é também o tema dos outros oito textos que compõem Por que olhar para os animais?. Berger, crítico de arte e escritor multifacetado, se vale de obras de fotógrafos, ilustradores, clássicos da Antiguidade, entre outras fontes, para desvendar o universo das sutilezas que nos forjam. Uma visita ao zoológico revela nossa proximidade desconcertante com os grandes primatas: chimpanzés, orangotangos e gorilas. A diferença entre as maneiras como se alimentam burgueses e camponeses, “intimamente ligada ao contraste brutal entre abundância e escassez”. Ou ainda, um poema sobre constelações, vacas, raposas e o desaparecimento inescapável de modos de vida que antes pareciam feitos de eternidade. Escritas entre 1971 e 2009, essas pequenas joias refletem o pensamento revolucionário de John Berger. Ao nos sensibilizar para nossa maneira inconsciente de perceber o que nos cerca, ele amplia nossa visão — como uma visita necessária ao oftalmologista, passamos a enxergar melhor.
Título
Por que olhar para os animais?
Tradução
Pedro Paulo Pimenta
páginas
106
capa
Alles Blau
Imagem da capa
João Castilho
ISBN
978-65-89733-36-2
ISBN Digital
Data da publicação
24/11/2021

Pássaros na boca e Sete casas vazias: contos reunidos

É famosa a afirmação de Júlio Cortázar de que no “embate que se trava entre um texto apaixonante e o leitor, o romance ganha sempre por pontos, enquanto o conto deve vencer por nocaute”. Herdeira direta de uma distinta linhagem de nocauteadores, da qual fazem parte Adolfo Bioy Casares e o próprio Cortázar, Samanta Schweblin, que já afirmou se identificar como autora de contos, mais do que de romances, está à frente de uma geração de escritores que renovam os votos de afinidade entre a forma breve e a ficção latino-americana. A autora recupera também a tradição do conto fantástico novecentista europeu, que encontra na Argentina solo fértil para o florescimento de um novo insólito, calcado nas particularidades do país.

Esta reunião de dois volumes de contos da autora, o cultuado Pássaros na boca (2009), em tradução revisada de Joca Reiners Terron, e Sete casas vazias (2015), inédito no Brasil, apresenta uma miríade de personagens incomuns, narrativas fantásticas, elementos sobrenaturais, sanguinolentos e grotescos que fizeram de Schweblin um destaque internacional da literatura contemporânea. Pássaros na boca é título homônimo de um conto em que uma menina passa a se alimentar de pássaros vivos, para desespero de seus pais. Se isso não parece verossímil, tampouco o são os demais personagens: uma esposa assassinada em uma mala torna-se obra de arte, um herdeiro milionário age como criança na loja de brinquedos, um rapaz passa por uma prova inusitada a fim de se tornar um assassino de aluguel, entre outros. Sete casas vazias, por sua vez, explora o espaço doméstico como palco de um terror que, por ser cotidiano, não é menos inquietante. Aqui, o metrô, o trânsito, os mercadinhos de bairro e apartamentos pequenos são cenários de divórcios, suicídios, doenças e dos não ditos que preenchem cômodos e ilustram com nitidez o estranho familiar [Unheimlich] descrito por Freud. Medos se combinam à intimidade das famílias e ao caos que pode reinar entre um cigarro e uma xícara de café, ou numa simples ida à farmácia. Em ambos os livros, Schweblin oferece uma exímia contística e flerta com o lado sombrio e com o horror ao mesmo tempo em que reconhece a graciosidade e a inocência dos deslocados, mostrando que seu lado melancólico pode ocasionar tanto o riso quanto a reflexão.
Título
Pássaros na boca e Sete casas vazias: contos reunidos
título original
Pájaros En La Boca e Siete Casas Vacías
tradução
Joca Reiners Terron
capa
Alles Blau
páginas
280
ISBN
9786589733560
ISBN Digital
978-65-89733-03-4
Data da publicação
15/04/2022
Navegando no site, estes cookies coletarão dados pessoais indiretos. Para saber mais, leia nossa política de privacidade.