0 Carrinho
Relacionados
26/09/2023

Texto de KL Jay sobre o livro “Balanço afiado”

O DJ e integrante do grupo de rap Racionais MC’s escreveu um texto especialmente para a orelha do livro de Allan da Rosa e Deivison Faustino

“Pra começar o cara tá vivo, e não é à toa — pra estar vivo nos dias atuais, com oitenta e poucos, sendo artista, é preciso uma habilidade (Tony Tornado que nos diga) ancestral e espiritual. 

Carioca que nasceu quase na divisa com São Paulo, Ben teve uma vida simples, tornou-se estudioso de religiões e ocultismos, temas com que se identificou por influência do avô, que era da ordem espiritual Rosacruz. 

Jorge Ben criou seu próprio ritmo, o próprio som. Instigado por Bob Dylan, misturou sons da Afrika com os do Brasil, contando histórias reais de pessoas comuns, que passam batido no dia a dia, mas que estão presentes ali, na nossa cara, na rua, nos trens, nos estádios de futebol, nos quilombos urbanos, na nossa casa etc… 

Com mais de trinta discos lançados, a música de Ben fez sucesso nos anos 1970 e reinou com o samba-rock na década de 1980, tocado nos bailes black (todos conheciam o ritmo de Jorge Ben). 

Penso o quanto é sensacional um artista fazer uma música que se mantém viva por tantos anos (esse pessoal dos anos 1970 e 1980 realmente pegou a energia que estava no ar). Creio que hoje, com toda a demanda das redes sociais, plataformas de streaming, festas, DJs, a música de Ben está até mais conhecida do que antes, o que chamo de ‘o poder da atemporalidade’. 

Bom, pra quem escreveu que “os alquimistas estão chegando”, eu escrevo: ‘O alquimista Jorge sempre esteve aqui, no meio de nós’. 

Boa leitura!”

Relacionados
na íntegra

O dilúvio nosso de cada dia

. Uma proposta de revegetação para o século 21 No dia 2 de maio de 2024, uma rápida pesquisa no Google sobre as enchentes no Rio Grande do Sul revelou mais de 6,5 milhões de resultados. Um alerta vermelho de inundação encabeçava a página, enquanto as notícias principais falavam de mortos, homens e mulheres cujas …

[saiba mais]
na íntegra

O fracasso da "flâneuse"

Foto: arquivo pessoal Sou encantada pelo livro Flâneuse, em que a escritora estadunidense Lauren Elkin escreve sobre caminhar por várias cidades (Paris, Nova York, Veneza, Londres e Tóquio) na companhia de outras personalidades que flanavam por essas mesmas localidades, como Jean Rhys, Virginia Woolf, Sophie Calle, entre outras. A parte sobre Tóquio, no entanto, destoa …

[saiba mais]
na íntegra

O dilúvio nosso de cada dia

. Uma proposta de revegetação para o século 21 No dia 2 de maio de 2024, uma rápida pesquisa no Google sobre as enchentes no Rio Grande do Sul revelou mais de 6,5 milhões de resultados. Um alerta vermelho de inundação encabeçava a página, enquanto as notícias principais falavam de mortos, homens e mulheres cujas …

[saiba mais]
na íntegra

O fracasso da "flâneuse"

Foto: arquivo pessoal Sou encantada pelo livro Flâneuse, em que a escritora estadunidense Lauren Elkin escreve sobre caminhar por várias cidades (Paris, Nova York, Veneza, Londres e Tóquio) na companhia de outras personalidades que flanavam por essas mesmas localidades, como Jean Rhys, Virginia Woolf, Sophie Calle, entre outras. A parte sobre Tóquio, no entanto, destoa …

[saiba mais]
Navegando no site, estes cookies coletarão dados pessoais indiretos. Para saber mais, leia nossa política de privacidade.