0 Carrinho
Relacionados
20/10/2023

Walter Salles escreve sobre “Judoca”

Leia na íntegra o texto de orelha do livro de Thierry Frémaux 

O judô e o cinema surgiram quase simultaneamente, no fim do século 19 […], alastraram-se como um rastro de pólvora e […] ambos nos dizem quem somos e quem são os outros”, escreve Thierry Frémaux. Neste relato de formação, o diretor do Instituto Lumière e do Festival de Cannes entremeia suas memórias de judoca faixa preta às histórias de cineastas e filmes que gravitaram ao redor de sua vida de amante e pesquisador de cinema.

Judoca é um mergulho na vida e práxis do inventor do judô, o sensei Jigoro Kano, filtrado pelos olhos do jovem da periferia de Lyon que foi Frémaux. Frágil e impossibilitado de lutar boxe, Kano inventou uma arte marcial em que a queda não é uma falha, e sim uma tática. É todo um viés de olhar o mundo e de se relacionar com ele que aflora nestas páginas. Em meio a lembranças e histórias sobre judô, Frémaux revisita a trajetória de cineastas que, de Kenji Mizoguchi a Jean-Luc Godard, também propuseram formas originais de refletir sobre o mundo.

Tanto o judô quanto o cinema são atravessados por questões éticas e estéticas. Por uma busca pela essência, pelo movimento necessário, preciso. Um modo distinto de entender a relação entre tempo e espaço. E, também, uma compreensão da vulnerabilidade, da natureza do medo, daquilo que nos humaniza e nos faz mais resilientes — traços que o autor revela com rara singularidade e pertinência.

É esse currículo de judoca e cinéfilo que possibilita a Frémaux apreciar Sugata Sanshiro/ A saga do judô, o primeiro filme de Akira Kurosawa, com o mesmo entusiasmo que admira desportistas como Muhammad Ali e Diego Maradona. Em Judoca, o autor se alia aos pensadores da cultura cujos interesses transcenderam suas formas imediatas de expressão.

“Tudo que sei sobre a moral e as obrigações dos homens, eu devo ao futebol”, disse Albert Camus. Haruki Murakami conta em Do que eu falo quando falo de corrida como ter se tornado maratonista lhe permitiu atingir o silêncio, o vazio absoluto que o ajuda a escrever. Pasolini disse que o futebol-poesia o interessava mais do que o futebol-prosa. O jovem Manoel de Oliveira, exímio nadador, se tornou um improvável piloto de Fórmula 1 antes de se dedicar ao cinema. Essas conexões inesperadas ganham forma e materialidade em Judoca.

“Esporte e cinema narram nosso século. Eles são populares, produzem sentido, sonho e drama.” Ao voltar para a infância e lembrar que, como um filme, um judoca se projeta, Thierry Frémaux nos revela como esporte, literatura e cinema estão muito mais intimamente interligados do que poderíamos imaginar.

Relacionados
na íntegra

O fracasso da "flâneuse"

Foto: arquivo pessoal Sou encantada pelo livro Flâneuse, em que a escritora estadunidense Lauren Elkin escreve sobre caminhar por várias cidades (Paris, Nova York, Veneza, Londres e Tóquio) na companhia de outras personalidades que flanavam por essas mesmas localidades, como Jean Rhys, Virginia Woolf, Sophie Calle, entre outras. A parte sobre Tóquio, no entanto, destoa …

[saiba mais]
na íntegra

O fracasso da "flâneuse"

Foto: arquivo pessoal Sou encantada pelo livro Flâneuse, em que a escritora estadunidense Lauren Elkin escreve sobre caminhar por várias cidades (Paris, Nova York, Veneza, Londres e Tóquio) na companhia de outras personalidades que flanavam por essas mesmas localidades, como Jean Rhys, Virginia Woolf, Sophie Calle, entre outras. A parte sobre Tóquio, no entanto, destoa …

[saiba mais]
na íntegra

Antes das Diretas Já

A minha geração, de meados dos anos 1950, teve uma adolescência e primeira juventude à sombra da anterior, marcada por todos os excessos, do heroísmo inglório da luta armada ao anticonsumismo hippie do desbunde comportamental. Tudo parecia remeter a um romantismo gauche que recobria de certo glamour os nascidos nos anos 1940. No Golpe de …

[saiba mais]
Navegando no site, estes cookies coletarão dados pessoais indiretos. Para saber mais, leia nossa política de privacidade.