0 Carrinho
Relacionados
08/11/2022

Três perguntas para Lucia Sano, tradutora finalista do Prêmio Jabuti

Por que ler os clássicos?

Acho que eu poderia enaltecer o legado ou a atualidade dessas obras… de fato, estamos vivendo um momento interessante, que é tanto de reconhecimento do aspecto negativo do legado da Antiguidade greco-romana para nossa sociedade quanto de grande revisitação desse passado para falar sobre questões do presente, como recentemente têm demonstrado as várias Medeias e Antígonas brasileiras. No entanto, quando dou aulas para estudantes calouros no curso de Letras, ressalto que eles devem encontrar a própria resposta para essa pergunta. Afinal, essa questão hoje é feita com sinceridade ou, mudando-se o tom, de forma desdenhosa; muitos afirmam que ensinar grego ou latim é bobagem ou que os clássicos não têm mais nada para nos dizer. O leitor deve ter a oportunidade de formar sua própria opinião e não há como fazer isso sem o contato direto com os textos.

Quais os maiores desafios da tradução?

São muitos e acho que os clichês são verdadeiros: é difícil encarar a sensação de intraduzibilidade e, considerando os contextos distintos de produção do texto original e da tradução, conseguir reproduzir o espírito mais do que a letra. De qualquer modo, como tradutora, não me interessa esconder que o texto antigo passou por diversas intermediações, a tradução sendo uma delas, e que não há acesso direto possível ao mundo antigo. No caso de autores tão distantes no tempo, como Xenofonte, é necessário ponderar o quanto se aproximar do contexto do leitor atual e o quanto enfatizar que o que temos ali é um mundo que se assenta numa outra base de conhecimento, de valores e de imagens.

O que esperar da leitura de Xenofonte?

Espero que os leitores encontrem prazer. A Ciropédia é um texto considerado por especialistas em Antiguidade como historiográfico e é inegável que o Xenofonte que foi discípulo de Sócrates também pode ser visto na obra. Ela é, porém, também uma espécie de romance avant la lettre porque muito dela é ficção, a narrativa flui, os diálogos são ótimos, alguns personagens nos comovem. E o interessante é que, embora Ciro seja apresentado como um líder ideal, o retrato não é totalmente positivo e leva a pensar se seria mesmo bom para o povo ter um rei como ele.

Relacionados
na íntegra

O fracasso da "flâneuse"

Foto: arquivo pessoal Sou encantada pelo livro Flâneuse, em que a escritora estadunidense Lauren Elkin escreve sobre caminhar por várias cidades (Paris, Nova York, Veneza, Londres e Tóquio) na companhia de outras personalidades que flanavam por essas mesmas localidades, como Jean Rhys, Virginia Woolf, Sophie Calle, entre outras. A parte sobre Tóquio, no entanto, destoa …

[saiba mais]
na íntegra

O fracasso da "flâneuse"

Foto: arquivo pessoal Sou encantada pelo livro Flâneuse, em que a escritora estadunidense Lauren Elkin escreve sobre caminhar por várias cidades (Paris, Nova York, Veneza, Londres e Tóquio) na companhia de outras personalidades que flanavam por essas mesmas localidades, como Jean Rhys, Virginia Woolf, Sophie Calle, entre outras. A parte sobre Tóquio, no entanto, destoa …

[saiba mais]
na íntegra

Antes das Diretas Já

A minha geração, de meados dos anos 1950, teve uma adolescência e primeira juventude à sombra da anterior, marcada por todos os excessos, do heroísmo inglório da luta armada ao anticonsumismo hippie do desbunde comportamental. Tudo parecia remeter a um romantismo gauche que recobria de certo glamour os nascidos nos anos 1940. No Golpe de …

[saiba mais]
Navegando no site, estes cookies coletarão dados pessoais indiretos. Para saber mais, leia nossa política de privacidade.